UEM PARA ATIVIDADES DIA 20 DE JUNHO

Edital


Os portõesficarão fechados


          No dia 20 de junho, próximaterça-feira, os servidores da UEM vão paralisar as atividades. A medida foi umadecisão unânime tomada na manhã desta quarta-feira (14), em Assembleia realizadapelo Sinteemar.

         O protesto é contra os ataques do governador Beto Richa quefez o bloqueio (contingenciamento) nas contas da Universidade. A UEM deveseguir os mesmos passos das outras universidades estaduais que também vãoparalisar as atividades na próxima terça-feira.

         O RH/Meta 4 é um sistema de gerenciamento de recursoshumanos que foi implantado, há cerca de 15 anos,  adquirido de uma empresa espanhola no qual ogoverno pagou R$ 19 milhões pelos serviços e continua pagando pela manutenção.

          A insistência doGoverno em implantar o sistema na UEM é apresentar transparência. Para isso, jáé disponibilizado o Portal da Transparência. O que Richa quer na verdade, é limitaras progressões e promoções, além de cortar direitos, controlar odesenvolvimento e das universidades e a prestação de serviços à comunidade,além de retirar o pouco de autonomia que ainda existe.

         A autonomia financeira, no qual o Sinteemar é contra, devevoltar a ser discutida em 90 dias, a partir da criação de um Grupo de Trabalho propostopelo secretário da Seti, João Carlos.

         O presidente do Sinteemar, José Maria Marques, alertou queneste momento “é preciso união de técnicos e docentes”. Ele informou que osindicato deve realizar uma plenária com algum dirigente sindical dasuniversidades paulistas para saber como está a situação por lá.

          A Assembleia tambémdecidiu por aderir à Greve Geral para o dia 30 de junho, contra as Reformastrabalhista e previdenciária e pelas Diretas Já. José Maria alertou que essasreformas, nefastas a todos os trabalhadores, só não foram aprovadas ainda,porque “o povo se organizou nas greves gerais (março e abril)  e foi protestar nas ruas”.

         Já sobre o Paranaprevidência, os servidores foram informadosde que o governo não quer nomear os representantes eleitos pelo Fórum.

         Para completar, a Assembleia discutiu o envio de um novo “pacotaço”,enviado pelo governo à Alep. Sobre a carreira técnica das universidades, JoséMaria informou que neste momento estão na mesa de negociação três pontos elencados:

1-  titulação para todas as classes:

2 -  fim dos sete anos interstício para progredirna carreira;

3 -  nomenclatura dos cargos.